Mundo

O lucrativo negócio por trás da ativista Greta Thunberg: financiamento político e energético

Por Cristina Gómez, em El Español – Greta Thunberg tornou-se, em menos de um ano, um ícone global contra as mudanças climáticas. Mas seu enorme sucesso foi impulsionado e promovido, de acordo com o The Sunday Times, por grandes lobbies e empresas de energia verde que usariam a jovem de 16 anos como ponta de lança para “facilitar a transição para o corporativismo verde”. 

O jornal britânico ligou a adolescente e sua crescente notoriedade ao magnata Ingmar Rentzhog, presidente de um Think Tank (laboratório de idéias e pesquisas), do qual são membros dos políticos social-democratas suecos, aos executivos de grandes empresas de energia do país.  

Greta Thunberg foi anunciada com sua famosa greve escolar perante o Parlamento da Suécia em agosto do ano passado. No dia 20, especificamente, Ingmar Rentzhog enviou uma foto da jovem para sua página no Facebook e naquela mesma tarde o jornal Dagens Nyheter – o de maior circulação no país – publicou sua história. Já sabemos o resto. 

No entanto, as informações exclusivas do Times garantem que sua história começou meses antes.  

Início do ativismo  

Em maio de 2018, Thunberg ganhou o segundo prêmio em um concurso de redação ambiental organizado pelo jornal Svenska Dagbladet. 

Após o concurso, Bo Thoren, líder do grupo local Fossil Free Dalsland, contatou os vencedores e outros jovens ativistas para falar sobre como “envolver e obter ajuda de jovens para aumentar o ritmo da transição para uma sociedade sustentável, desde que eu estava procurando novos rostos” para o movimento.  

Entre as propostas de Thoren, estava uma greve escolar inspirada nas manifestações dos estudantes sobreviventes do massacre do Parkland Institute na Flórida – que ocorreu em fevereiro daquele ano. “Havia eleições agendadas para setembro, três semanas após o início do curso. Imagine o que aconteceria se as crianças chegassem no primeiro dia e dissessem ‘não voltaremos até as eleições'”, explicou Thoren. 

Greta estava convencida da ideia de uma greve e decidiu colocá-la em prática. Thoren sabia disso e foi a Estocolmo em 21 de agosto para se juntar a ela. Mas no dia anterior, Rentzhog encontrou a ativista “casualmente” na frente do Parlamento e as notícias começaram a se tornar virais antes da chegada de Thoren. 

Embora Rentzhog tenha dito inicialmente que viu Greta “por acaso”, ele finalmente admitiu ao Times que uma semana antes havia recebido um e-mail de Thoren informando sobre o protesto.  Da mesma forma, Rentzhog conheceu a família de Greta meses antes do evento, quando ele coincidiu com Malena Ernman, a mãe da jovem, em uma conferência sobre o clima em Estocolmo. Isso foi assegurado por e-mail ao jornalista do Times, apesar do fato de ele ter alegado anteriormente que a primeira vez que soube da garota foi quando os protestos começaram.  

A tudo isso, devemos acrescentar que a greve de Greta coincidiu com o lançamento do livro de Ernman, Scenes from the Heart, que conta como “trabalhar para salvar o planeta salvou a vida de sua família”. Rentzhog aproveitou a publicação, a fama de Malena Ernman – cantora de ópera prestigiosa – e o carisma de Greta para espalhar sua mensagem pelas redes sociais e, assim, pular para a mídia em todo o mundo. 

Assim começou o relacionamento entre a família de Thunberg e Rentzhog, um acordo que os pais da menina tentam esconder.  

Poderes envolvidos  

A razão pela qual seus pais sempre negaram que exista uma colaboração com Rentzhog é que o fundador da plataforma We Don’t Have Time – com a qual ele pretende aproveitar o poder das redes sociais para “responsabilizar líderes e empresas da mudança climática “- é também o presidente da Global Utmaning (mais conhecida como Desafio Global), um grupo de reflexão no qual estão envolvidos líderes de lobby, executivos de empresas de energia e até políticos. 

Para a família Thunberg, é fundamental que sua imagem não seja prejudicada pelos interesses de terceiros.  A fundadora do Global Challenge é Kristina Persson, ex-membra do Partido Social Democrata e ministra do governo sueco entre 2014 e 2016. Outros membros do Think Tank são: David Olsson, membro do Svenska Bostadsfonden, um dos maiores fundos imobiliários da Suécia de cujo Conselho fazem parte Rentzhog e Gustav Stenbeck, cuja família controla a empresa de investimentos sueca Kinnevik.  

O Conselho também inclui Petter Skogar, presidente da KFO, a maior associação patronal da Suécia, e Anders Wijkman, ex-presidente do Clube de Roma e membro do Parlamento Europeu entre 1999 e 2009.  

Outro membro de destaque é Nystedt Ringborg, consultor da Agência Internacional de Energia e ex-vice-presidente da multinacional suíça-sueca ABB, que atua em áreas de robótica e energia, entre outras. 

O Times também enfatiza que Ringborg é membro da Sustainable Energy Angels, uma empresa de capital de risco de energia verde.  

Inconsistências  

Embora o Times sugira que a família de Thunberg talvez não conheça os interesses das grandes potências que Rentzhog trouxe consigo quando os contatou, também mostra inconsistências em sua conta. 

Começa com a assinatura da mãe de Greta em um artigo de opinião publicado no Dagens Nyheter – que, lembre-se, foi o primeiro a ecoar os protestos de Thunberg perante o Parlamento.  Este artigo tem outras oito empresas, entre as quais Kristina Persson e três outros membros do Global Challenge. Rentzhog, que deveria ser o autor do artigo, disse que mostrou a lista de signatários a Malena Ernman, mas sem indicar as acusações que eles detinham no Global Challenge, para que a mãe de Greta não soubesse quem eles eram, mas também assinou um artigo escrito pelo presidente deste Think Tank.  

Entre as incongruências da família da jovem ecologista, está também o pai dela, Svante Thunberg, que disse com firmeza que “nunca trabalhamos com a plataforma Rentzhog ou o Global Challenge”, apesar de Greta fazer parte do conselho consultivo de sua plataforma Não temos tempo (fundada por Rentzhog).  

Embora a família de Thunberg tenha tentado romper com qualquer tipo de lobby, seu novo assessor de imprensa é Daniel Donner, que está trabalhando no lobby de Bruxelas: European Climate Foundation.  

Como ativista, é inevitável que Greta Thunberg se cercasse de lobbies e líderes que apoiam sua causa – e têm seus próprios interesses – para gerar as mudanças que ela pede aos políticos em todo o mundo, mas a tentativa de esconder essas relações para manter seus interesses e imagem pura gera desconfiança em relação a ela. 

No momento, todos os passos dados pela jovem sueca, que mobilizou milhares de jovens de todo o mundo para combater as mudanças climáticas, serão questionados e investigados com lupa.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar